O futuro possível

(contra) narrativas do desenvolvimento para pensar a América Latina no contexto da pandemia da Covid-19

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.30854/anf.v29.n52.2022.804

Palabras clave:

Ambiente, Ciências sociais, Cultura e desenvolvimento, Efeitos das atividades humanas, Pandemia

Resumen

Objetivo: o objetivo deste trabalho é gerar uma discussão sobre duas práticas de desenvolvimento acontecidas no Brasil e na Costa Rica durante os primeiros meses da pandemia da Covid-19. A reflexão é acompanhada de insumos teóricos das abordagens pós-desenvolvimentistas, com a finalidade de aportar novos elementos de análise que contribuam para o aprofundamento da crítica epistemológica e sociopolítica aos processos de apropriação da natureza pelo modo de produção capitalista na América Latina e suas implicações nos tempos da Covid-19. Metodologia: quanto ao delineamento metodológico, as práticas de desenvolvimento apresentadas foram construídas como estudos de caso, em função do estipulado pela pesquisa qualitativa, que sugere a importância da identificação dos atores envolvidos na expressão de um fenômeno, suas interações complexas e o mapeamento das narrativas e estratégias de sobrevivência e resistência que emergem como formas de superação dos conflitos. Resultados: a análise dos resultados propõe um giro ontológico na abordagem reflexiva do desenvolvimento que é coincidente com a adoção de olhares alternativos para entender as crises socioambientais originadas no Antropoceno. Com o propósito de debater as possibilidades de análise que oferecem os novos olhares epistêmicos e onto-políticos, as duas experiências empíricas permitem exemplificar a inadequação das categorias tradicionais para atender os cenários de contingência, sendo pertinente a incorporação de abordagens não centrados em medidas de controle, securitização e planejamento. Conclusões: as conclusões sugerem que o conjunto destas reflexões permite uma melhor compreensão sobre as formas em que ciência, política e natureza articulam-se nas sociedades contemporâneas. Este conhecimento é fundamental nos estudos sobre as práticas de legitimação da democracia, os projetos alternativos de cidadania e o surgimento de novas identidades territoriais.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Adams, C. (2002) Estratégias adaptativas de duas populações caboclas (Pará) aos ecossistemas de Várzea estuarina e estacional: uma análise comparativa. 2002 [Tese Doutorado, Universidade de São Paulo].

Barnett, J.; Tschakert, P.; Head, L.; Adger, W. N. (2016). A Science of Loss. Nature Climate Change, 6(11), 976-978.

Beck, U.; Giddens, A.; Lash, S. (1995). Modernização reflexiva. Editora Unesp.

Berkhout, F.; Smith, A.; Stirling, A. (2004). Socio-technological Regimes and Transition Contexts. In B., Elzen; F., Geels; K., Green (Eds.), System Innovation and the transition to sustainability: Theory, evidence and policy. Edward Elgar Publishing.

Carneiro da Cunha, M.; Almeida, M. (2009). Populações tradicionais e conservação ambiental. In M., Carneiro Da Cunha (Ed.), Cultura com aspas e outros ensaios. Cosac Naify.

Castree, N.; Hulme, M.; Proctor, J. D. (Eds.). (2018). Companion to Environmental Studies. Routledge.

Castro, J. (29 de julho de 2020). Tres mil empreendedores brincaron a comercio electrónico ante Covid-19. Larepublica.net. https://www.larepublica.net/noticia/tres-mil-emprendedores-brincaron-a-comercio-electronico-ante-covid-19

Crutzen, P. J. (2006). The “anthropocene”. In E., Ehlers; T., Krafft (Eds.), Earth System Science in the Anthropocene. Springer.

Darnhofer, I.; Lamine, C.; Strauss, A.; Navarrete, M. (2016). The Resilience of Family Farms:

Towards a Relational Approach. J. Rural Stud., 44, 111–122.

Deleuze, G. (2002), Diferencia y repetición. Amorrortu Editores.

Deleuze, G.; Parnet, C. (1996). Dialogues. Flammarion.

Escobar, A. (2014). Sentipensar con la tierra. Nuevas lecturas sobre desarrollo, territorio y diferencia. Ediciones UNAULA.

Fearnside, P. M. (2005). Desmatamento na Amazônia brasileira: história, índices e consequências. Megadiversidade, 1(1), 113-123.

Fleury, L. C.; Almeida, J.; Premebida, A. (2014). O ambiente como questão sociológica: conflitos ambientais em perspectiva. Sociologias, 16, 34-82.

Florit, L. (2000). O lugar da "natureza" na teoria sociológica contemporânea. XXIV Encontro Anual da ANPOCS. Petropolis, Brasil. De 23 a 27 de outubro de 2000.

Fraxe, T.; Pereira, J. P.; Dos, S.; Witkoski, A.C. (2007). Comunidades ribeirinhas amazônicas: modos de vida e uso dos recursos naturais. EDUA.

Giddens, A. (1991). As conseqüências da modernidade. Editora Unesp.

Graziano Da Silva, J. (1999). Tecnologia e agricultura familiar. Editora da UFRGS.

Greenhalgh-Spencer, H. (2019). Teaching with Stories: Ecology, Haraway, and Pedagogical Practice. Studies in Philosophy and Education, 38(1), 43-56.

Guinard, M.; Lin, E; Latour, B. (2020). Coping with Planetary Wars. E-flux, 114. https://www.e-flux.com/journal/114/366104/coping-with-planetary-wars/

G1. (22 de mayo de 2020). Ministro do Meio Ambiente defende passar 'a boiada' e 'mudar' regras enquanto atenção da mídia está voltada para a Covid-19. https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/22/ministro-do-meio-ambiente-defende-passar-a-boiada-e-mudar-regramento-e-simplificar-normas.ghtml

Habiyaremye, A.; Kruss, G.; Booyens, I. (2020). Innovation for Inclusive Rural Transformation: The Role of the State. Innovation and Development, 10(2), 155-168.

Hederich, F. (1993). No queremos medio ambiente, lo queremos completo. Ánfora, 1(2), 41-42. https://publicaciones.autonoma.edu.co/index.php/anfora/article/view/456

Hernández-Sanchéz, S. (4 de maio de 2020). Las «verdades» de Renato Alvarado que ya he advertido. Elmundo.cr. https://www.elmundo.cr/opinion/las-verdades-de-renato-alvarado-que-ya-he-advertido/

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. (Mai 21, 2021). A taxa consolidada de desmatamento por corte raso para os nove estados da Amazônia Legal em 2020 foi de 10.851 km2. http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=5811

Kahlau, C.; Santos, T. G. D.; Souza-Lima, J. E. (2019). Paradigmas de desenvolvimento, natureza e subjetivação: as ressignificações do sujeito nas múltiplas crises da humanidade. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 51.

Kanda, W.; Kivimaa, P. (2020). What Opportunities Could the COVID-19 Outbreak Offer for Sustainability Transitions Research on Electricity and Mobility? Energy Research and Social Science, 68, 1-5.

Krenak, A. (2019). Ideias para adiar o fim do mundo. Companhia das Letras.

Lander, E. (2016). Com o tempo contado: crise civilizatória, limites do planeta, ataques à democracia e povos em resistência. In G., Dilger; M., Lang; J.P., Filho (Coords), Descolonizar o imaginário. Debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. Elefante.

Latour, B. (2013). An Inquiry into Modes of Existence. University Press.

Latour, B. (2018). Esperando a Gaia. Componer el mundo común mediante las artes y la política. Cuadernos de Otra parte. Revista de letras y artes, 26, 67-76.

Leach, M.; MacGregor, H.; Scoones, I.; Wilkinson, A. (2021). Post-pandemic Transformations: How and Why COVID-19 Requires Us to Rethink Development. World Development, 138, 105-233.

Leach, M.; Reyers, B.; Bai, X.; Brondizio, E. S.; Cook, C.; Díaz, S.; Espindola, G.; Scobie, M.; Stafford-Smith, M.; Subramanian, S. M. (2018). Equity and Sustainability in the Anthropocene: A Social–ecological Systems Perspective on Their Intertwined Futures. Global Sustainability, 1.

Leff, E. (2009). Complexidade, racionalidade ambiental e diálogo de saberes. Educação & Realidade, 34(3), 17-24.

Lorimer, H. (2008). Cultural Geography: Non-Representational Conditions and Concerns. Progress in Human Geography, 32(4), 551-559.

Lovelock, J.E.; Margulis, L. (1974). Biological Modulation of the Earth’s Atmosphere.

Icarus, 21, 471-489.

Lovelock. J. E. (1990). Hands Up for the Gaia Hypothesis. Nature, 344(6262), 100-

Morán, E. F. (1990). A Ecologia humana das populações da Amazônia. VozeS.

Morea, J. P. (2021). Post COVID-19 Pandemic Scenarios in an Unequal World Challenges for Sustainable Development in Latin America. World, 2(1), 1-14.

Perondi, M. Â. (2007). Diversificação dos meios de vida e mercantilização da agricultura familiar [Tese Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul].

Perondi, M. Â.; Kiyota, N.; Gnoatto, A. A. (2009). Políticas de apoio a diversificação dos meios de vida da agricultura familiar: uma análise propositiva. Conference: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Londrina.

Pimentel, C. P. (2003). Crise Ambiental e Modernidade: Da oposição entre natureza e sociedade à multiplicação dos híbridos [Dissertação submetida ao corpo docente do Programa de Pós Graduação EICOS, Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro].

Polanyi, K. (2000). A grandeTransformação. As origens de nossa época. Editora Campus.

Porto-Gonçalves, C. W. (2017). De saberes e de territórios: diversidade e emancipação a partir da experiência latino-americana. In V., Do Carmo Cruz; D., Araújo de Oliveira (Coords), Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Letra Capital.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. (2020). Human Development Report 2020. The Next Frontier Human Development and the Anthropocene. United Nations Development Programme.

O’Neil, K. C. (16 de maio de2020). As plataformas de e-commerce estão conseguindo aproximar produtores e consumidores em uma relação mais direta e justa. Universidad de Costa Rica. https://www.ucr.ac.cr/noticias/2020/05/16/la-agricultura-costarricense-se-reinventa-frente-a-la-pandemia-del-covid-19.html

Rauschmayer, F.; Bauler, T.; Schäpke, N. (2015). Towards a Thick Understanding of Sustainability Transitions—Linking Transition Management, Capabilities and Social Practices. Ecological Economics, 109, 211-221.

Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar. Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 Brasil. https://pesquisassan.net.br/olheparaafome/

Reis, A. A. (2015). Desenvolvimento sustentável e uso recursos naturais em área de várzea do território do Baixo Tocantins da Amazônia Paraense: limites, desafios e possibilidades [Tese Doutorado, Universidade Federal do Pará].

Sousa, L. P. D. Q.; Pessoa, R. R. (2019). Humans, Nonhuman Others, Matter and Language: A Discussion from Posthumanist and Decolonial Perspectives. Trabalhos em Linguística Aplicada, 58(2), 520-543.

Stengers, I. (2015). No Tempo das catástrofes: resistir à barbárie que se aproxima. Cosac Naify.

Stirling, A.; Scoones, I. (2020). COVID-19 and the Futility of Control in the Modern World. Issues in Science and Technology, 25-27.

Thorsen, L. M. (2020). Art, Climate Change and (other) Eco Materials: Rethinking the Cosmopolitanization of Aesthetics and the Aesthetics of Cosmopolitanization with Ulrich Beck. Global Networks, 20(3), 564-583.

Tsing, A. (2010). Arts of Inclusion, or How to Love a Mushroom. Manoa, 22(2), 191-203.

Umaña, V. (7 fevereiro, 2021). Página quince: El sesgo antiagrícola. La Nación. https://www.nacion.com/opinion/columnistas/pagina-quince-el-sesgo-antiagricola/FFZ2ASOJ7BDWJMLAVSR5MH7LU4/story/

Valadão, A de F. C. (2008). Teoria de Gaia e a preservação do meio ambiente. Gestão e Conhecimento, 4(2).

Virtanen, P. K.; Siragusa, L.; Guttorm, H. (2020). Introduction: Toward more Inclusive Definitions of Sustainability. Current Opinion in Environmental Sustainability, 43, 77-82.

Zhouri, A.; Laschefski, K. (Eds.). (2010). Desenvolvimento e conflitos ambientais. Editora Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Publicado

2022-03-23

Cómo citar

Barboza Arias, L. M., & Mourão Salheb do Amaral, A. J. . (2022). O futuro possível: (contra) narrativas do desenvolvimento para pensar a América Latina no contexto da pandemia da Covid-19. ÁNFORA, 29(52), 124–156. https://doi.org/10.30854/anf.v29.n52.2022.804